terça-feira, 24 de julho de 2012

Visualização da informação

Estou tentando iniciar uma pesquisa sobre como a mediação digital influencia (ou não) a apresentação da informação. Com base na última frase deu para perceber que nem mesmo eu sei como e onde quero chegar. Daí dou de cara com o post "O que você vê" do blog do Aldo Barreto.

Lá ele apresenta rapidamente uma questão muito semelhante a que busco: possibilidades de disponibilizar a informação de maneira mais eficiente.

O que coincide com a minha "pesquisa" (sem aspas ficaria muito pretensioso), para aqui. O post, porém, continua. Barreto escreveu:


Um processo, que transforma os dados e informação em uma configuração visual que explora o ponto forte da rápida conexão visual. A importância da visualização da informação vai muito além do interesse acadêmico, pois e um recurso potencial para resolver problemas do mundo real.
Isso me traz o que Edward Tufte discute na obra "The Visual Display of Quantitative Information". Apesar de Tufte não se aprofundar em questões acerca da cognição e/ou fatores sociais (se ele o faz nesse livro, desculpe-me, pois li muito por alto), e de que o objeto desta obra são apenas os gráficos, é inegável a proximidade dela para com a problemática apresentada Aldo. O pragmático livro de Tufte analisa inúmeros gráficos (data graphics) e faz observações acerca de sua eficiência segundo os requisitos de "Graphical Excellence" indicados pelo autor. São eles (em meia tradução apressada)

1. Mostrar os dados;
2. Induzir o leitor a pensar no conteúdo e não na metodologia, design etc.;
3. Evitar distorcer o que os dados devem dizer;
4. Apresentar muitos números num espaço pequeno;
5. Fazer grandes conjuntos de dados serem coerentes;
6. Encorajar a comparação dos dados;
7. Revelar os dados em vários níveis de detalhamento;
8. Serve a reasonably clear purpose: description, exploration, tabulation or decoration (esse vai nativo mesmo, pois achei minha versão muito tosca)
9. Be closely integrated the statistical e verbal descriptions of data set (esse também)

Além dos critérios acima, , fora da obra supracitada, Tufte se faz "inimigo" do Powerpoint por conta das suas limitações de capacidade (e apresentação) de informação que causam inúmeros problemas REAIS (ver Cognitive Style os Powerpoint - 2003)


De volta a visualização


Segundo Stephen G Eick e Nahum D Gershon¹:
information visualization focuses on information, which is often abstract. Information in many cases does not automatically map to the physical world (for example, geographical space). This fundamental difference means that many interesting classes of information have no natural and obvious physical representation.  A key research problem then is to discover new visual metaphors for representing information and to understand what analysis tasks they support.

Ainda que isso não traga 100% de esclarecimento para o "montagem" do meu tema, já é alguma coisa. Principalmente no que se refere ao problema chave: descobrir novas metáforas visuais para representar informação (tradução livre). A visualização da informação então pode ser parte do que estudarei.


Por hora é isso, mas vem mais pela frente!


1- EICK, Stephen G. GERSHON, Nahum D. Information Visualization. IEEE Computer Graphics and Applications. Guest Editors’ Introduction, 1997. Disponível em
http://www.cs.duke.edu/courses/cps296.8/spring03/papers/GuestEditor'sInfoVisIntroduction.pdf

  ©Template por Dicas Blogger Modificado por mim!

TOPO